segunda-feira, 4 de abril de 2011

Sobre a bunda (considerações sobre o universo da poupança)... Por MarcosV DeMorais

Drummond chamou-a de duas luas. E a bunda ficou também assunto de verso, quando terreno seu era calçadão, praia e fio dental. O fio dental na verdade foi a revolução francesa da bunda. Feito exclusivamente para a bunda, ajudou-a libertar-se, para que se mostrasse toda, avantajada, sensual, de responsa. E foi-se logo embora o tempo que a bunda vivia de baixo de sete anáguas e tantos saiões. A bunda trocou tudo isso, serelepíssima, pela calça jeans justa, marcando-lhe o contorno; e pela mini-saia, provocando meio mundo num movimento de sobe e desce, sensualizando a popa. A bunda simplesmente se tornou o máximo. Primeiro passo para a consagração.

Intelectualizou-se logo-logo como nome de revista, porque os caras só pensavam na bunda. Bundas foi nome de revista e matéria de uma edição inteira. Dizia a turma do Pasquim, que fazia a revista Bundas: você verá bundas na Caras, mas  jamais verá caras na Bundas.  E tocaram a traçar uma tipologia das bundas. Tudo enriquecido com ilustração para tornar fácil identificar um tipo delas por aí a fora. Basta ver uma bunda, que já se sabe, sem erro, de que tipo se fala. Mas há também por aí o Guia Ilustrado das bundas, mais atualizado, esse só se vendo, e são elas, enumeradas, classificadas e catalogadas em categorias tipológicas que correspondem bem ao que se vê e imagina. Tem a mole, a caída, a tábua, a siliconada, a grande, a photoshopada ou virtual, a saúva, a pequena e a empinada.

Bunda também é nome próprio. Nome de um detetive que tinha uma tão, mais tão avantajada, que caiu como codinome, Jaime Bunda, o detetive, também nome do romance do qual é personagem, de autoria do escritor angolano Pepetela (no Brasil saiu pela editora Record). Um livraço, e não pense que para comportar o tamanho da bunda, mas pela qualidade da história, que descamba para a crítica da herança colonial portuguesa na África. E de bunda se pode dizer mais, em consulta a Cascudo, um pasquinista, Sérgio Augusto, reuniu os mais de trocentos nomes que a bunda pode ter: poupança, fon-fon, bumbum, nádegas, assento, traseiro, busanfa, derriere (esse afrancesado), são alguns deles. Contou mais de 140 formas diferentes de se dizer bunda. Outros apostam que se pode chegar há mais de duzentas formas, o que prova que a bunda é coisa comentada, falada e dita, e de tantas maneiras.

A bunda é inesquecível. Falacíssima. É bem coisa de brasileiro. Não que os outros não a tenham. Apesar de bundas iguais as nossas não serem vistas em canto nenhum – tanto que as mulatas brasileiras vivem no topo do ranking. Por aqui a bunda é reverenciada, adorada, é até paixão nacional, formando palanque com a praia, a cerveja e o futebol. Até ganhar atributos de fruto, ganhou; pois o que é a mulher melancia senão uma popozuda que a natureza assim fez na formatação peso e tamanho de uma melancia? Ou quem sabe o silicone e a prótese ajudaram... e há também as similares menos avantajadas: pêra, uva, maça,  um desbunde que é uma verdadeira salada tropical.

Por MarcosV DeMorais

15 comentários:

  1. Esse Marcos Vinícius DeMorais só pode está na secura para fazer uma coisa tão indecente dessa. Vou dar uns endereços de bordeis aqui de João Pessoa para ele.

    ResponderExcluir
  2. AMEI A CRÔNICA. QUERO MUITO CONHECER O AUTOR SÓ PELO NOME CHICK.

    ResponderExcluir
  3. Uma Crônica sobre bunda?! Acho que ele poderia escrever algo mais interessante do que tal besteira.

    ResponderExcluir
  4. Certa dia meu pai levantou o jornal e disse: "meu filho, levanta essa bunda da cadeira e faça alguma coisa!". Foram suas últimas palavras para mim, pois ele morreu de overdose três horas depois. Isso marcou minha vida. Por isso que ao ler essa crônica eu chorei.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, é tudo uma questão evolucionária: a Razão Cintura-Quadril.

    É uma medida que além de indicar, com uma alta probabilidade de acerto, a possibilidade da pessoa ser saudável, também é reflexo da quantidade de hormônio feminino que ela possui.

    ResponderExcluir
  6. MarcosV DeMoraes4 de abril de 2011 18:10

    Já vi que ninguém entende nada de bunda, tampouco de uma sociologia da bunda, patrimônio nacional! Inspirou até Niemeyer a projetar Brasília...uns neófitos...

    ResponderExcluir
  7. Curti muito esse lance de bunda. Eu gosto muito de bunda. Já tomei até Postafem e Buclina para deixar a minha grande.

    ResponderExcluir
  8. CARO Marcos Vinícius DeMorais VOCÊ FOI MUITO FODA EM ESCOLHER LOGO ESSE TEMA PARA INICIAR SUA INCURSSÃO NO PONTO ZERO. ME AMARRO NESSE TIPO DE TEXTO E RI MUITO COM MEUS AMIGOS AQUI EM SAMPA QUANDO ENTREI NA PÁGINA HOJE MAIS CEDO.

    PARABÉNS MEU IRMÃO! É DESSE TIPO DE COISA QUE O POVO GOSTA. BUNDA, MAS SEM VULGARIDADE.

    ResponderExcluir
  9. Bunda é realmente um vício nacional.. mas prefirom muito mais peitos.

    ResponderExcluir
  10. Gostei bastante do glúteo texto. Hoje em dia fala-se que, quem não tem bunda é um desbundado, no passado era sinônimo de porra louca, fui orgulhosamente um desbundado. Lá em Portugal apelidaram a maravilhosa bunda de cu; isso mesmo ¨CU¨, é costume deles pedirem para os menores tirar o cu do assento e ceder o lugar pros mais velhos. É um país aonde a boa educação manda ceder o cu desde pequenino, pois.

    ResponderExcluir
  11. JA DIZ O DITADO POPULAR: BUNDA É COMO DESGRAÇA, SÓ PRESTA GRANDE KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  12. Se eu encontrar esse cara aqui por Mossoró, juro que beijo a bunda dele.

    ResponderExcluir
  13. Um cronista tão maravilhoso feito você, não deveria se limitar apenas a um trabalho nesse blog. Queremos mais!!

    ResponderExcluir
  14. kkkkkk Você foi FUNDO no seu proposito. Quero ler mais.. dessa vez algo masculino.

    ResponderExcluir
  15. Tenho horror a mulher perfeitinha.
    Sabe aquele tipo que faz escova toda manhã, tá sempre na moda e é tão sorridente que parece garota-propaganda de processo de clareamento dentário?
    E, só pra piorar, tem a bunda dura!? Pois então, mulheres assim são um porre. Pior: são brochantes. Sou louco? Então tá, mas posso provar a minha tese. Interessados?

    Adorei o texto. Deveria escrever mais.

    ResponderExcluir