quinta-feira, 30 de abril de 2015

Gwen Stefani estará em novo disco do rapper Snoop Dogg

A tracklist e as participações no novo disco do Snoop Dogg foram reveladas. “Bush” chega no dia 12 de maio com 10 faixas e produzido por Pharrell Williams. Além de T.I., o projeto terá ainda colaborações com Gwen Stefani, Stevie Wonder, Charli Wilson, Kendrick Lamar e Rick Ross.

É um projeto completamente diferente de tudo o que eu já fiz. Soa e me sinto bem com ‘Bush’”, disse o rapper recentemente em entrevista.

Confira a tracklist:

01) “California Roll” feat. Stevie Wonder
02) “This City”
03) “R U a Freak”
04) “Awake”
05) “So Many Pros”
06) “Peaches N Cream” feat. Charlie Wilson
07) “Edibles” feat. T.I.
08) “I Knew That”
09) “Run Away” feat. Gwen Stefani
10) “I’m Ya Dogg” feat. Kendrick Lamar & Rick Ross

Série Revenge é cancelada!

Os fãs da série Revenge receberam uma triste notícia nesta quarta-feira (29). O produtor executivo da série, Sunil Nayar, confirmou ao site da revista EW que a quarta temporada será mesmo a última.

O último episódio da quarta temporada, que deve estrear nos EUA em 10 de maio, será também o último da série, que foi cancelada.

Nós podemos contar oficialmente aos nossos fãs que este será o fim da história.

Conversamos bastante com a emissora [ABC, que exibe a série nos EUA] e queríamos garantir que estivéssemos confiantes. Agora que todos já assistiram ao final, que é fabuloso, sabemos que, por mais que a gente ame o programa, chegou ao ponto em que precisava de um fim.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Saiu! Assista à festa em P&B de Adam Lambert no clipe de 'Ghost Town'!

Depois de três anos sem lançar um novo material solo, Adam Lambert voltou na semana passada com o single "Ghost Town", carro-chefe de seu terceiro álbum em estúdio, intitulado "The Original High" e programado para lançamento em 18 de junho. O single, que traz uma nova parceria de Lambert com o produtor queridinho do pop atual Max Martin (antes eles já haviam trabalhado em "Whataya Want from Me" e "If I Had You") flerta muito com a deep house, que deve dominar o novo álbum do nosso rei do pop. E o aguardado videoclipe do single, acabou de sair.

Hype Williams, queridinho de outrora entre os artistas de R&B e Hip-Hop, e que mais recentemente dirigiu "Booty" da J-Lo com a Iggy Azalea, é o responsável pelo conceito visual aqui. E, numa primeira análise, é um clipe bonito, todo em P&B e com ótima fotografia, mas, em alguns momentos, nos soou um pouco monótono e bastante parecido com um comercial de moda, principalmente na parte em que Adam tá rodopiando no cenário. Isso não quer dizer que não tenhamos gostado, pelo contrário. Mas sei lá, estávamos esperando um pouco mais. Quem sabe vocês não se animam. Assistam:


A divulgação de "Ghost Town" não vai demorar pra acontecer também. Até o final deste mês, devemos ter performances na Ellen DeGeneres, Jimmy Fallon, The View, entre outros.

Tori Kelly libera a inédita (e deliciosa) 'Unbreakable Smile' + capa e tracklist de seu álbum de estreia

A maravilhosa Tori Kelly foi uma de nossas recentes apresentações no IPA e, agora, ela está de volta e com maiores detalhes de seu muito promissor álbum de estreia, que já conta com o incrível lead single "Nobody Love", produzido por Max Martin.

Programado para 23 de junho, "Unbreakable Smile" ganhou uma capa linda e toda sua tracklist liberada, com direito às participações de Ed Sheeran e dos rappers Daye Jack e LL Cool J. Além disso, o material ganhou um videoclipe promocional, bem simples, da inédita e deliciosa faixa-título, dirigido por Andrew Rose

Confiram logo abaixo:

Tracklist

1) "Where I Belong"
2) "Unbreakable Smile"
3) "Nobody Love"
4) "Expensive" (feat. Daye Jack)
5) "Should've Been Us"
6) "First Heartbreak"
7) "I Was Made for Loving You" (feat. Ed Sheeran)
8) "City Dove"
9) "Talk"
10) "Funny" (Live)
11) "Art of Letting You Go"
12) "California Lovers" (feat. LL Cool J)

Deluxe Edition
13) "Falling Slow"
14) "Anyway"
15) "Dear No One"
16) "Beautiful Things"

MIKA tá todo lúdico e colorido no clipe de 'Talk About', carro-chefe do seu novo álbum!

Programado para o dia 15 de junho, "No Place in Heaven", novo álbum do MIKA finalmente ganhou seu primeiro videoclipe oficial.

Dirigido por KT Auleta, o lúdico clipe é para o grudento single "Talk About" e traz o cantor andando por um cenário todo colorido e desmontável, criando uma historinha ao longo da produção, que funciona muito bem para passar toda a diversão da faixa. Confiram:


De "No Place in Heaven", nós também já conhecemos, além do lead single, as faixas "Last Party" e "Good Guys".

Sem anúncio oficial, o fim do Kid Abelha pode ser somente um recesso

Nas entrevistas que vem concedendo para divulgar a agenda da turnê nacional de Transbordada, show baseado em seu homônimo terceiro álbum solo, Paula Toller tem admitido o fim do grupo Kid Abelha.

Não haveria mais motivação para a gravação de discos e a criação de shows, argumenta a Abelha rainha. Contudo, esse fim jamais foi anunciado oficialmente, seja com um comunicado postado no Facebook ou enviado via assessoria. O que abre caminho para que o fim possa ser, a rigor, um recesso por tempo indeterminado.

Certamente inexiste motivação no momento em que Paula está na estrada para promover seu disco solo que mais lembra o som do Kid. Até porque a resposta do público à turnê solo da cantora e compositora carioca tem sido muito boa Brasil afora.

Não por acaso, Paula canta pela primeira vez muitos hits do Kid em show solo, favorecida pelo fato de a sonoridade pop do CD Transbordada (Som Livre, 2014) evocar a pegada da música do trio até então formado por Paula com George Israel e Bruno Fortunato.

Mas outros outubros - e discos e shows - virão. E, dependendo de como se desenvolverem as carreiras individuais dos integrantes do grupo, pode ser que a motivação reapareça no futuro.

Nesse caso, o fato de inexistir anúncio oficial do aposentadoria do Kid Abelha poupa Paula Toller, George Israel e Bruno Fortunato do constrangimento de, em um futuro incerto, admitir que o fim ora admitido informalmente foi tão somente um recesso por tempo indeterminado.

Zac Efron aparece sujo e quase nu no set de filmagens de “Dirty Grandpa”

Como já está virando costume, o ator Zac Efron vai aparecer semi-nu em seu mais novo filme, “Dirty Grandpa”. O ator foi clicado no set de gravações usando apenas uma cueca nude, que serve para cenas que simulam nudez.

Nas fotos, Zac aparece com um bichinho de pelúcia grudado na frente da cueca. Na cena, obviamente, o personagem de Zac estará nu e deverá contar apenas com esse bichinho para proteger seus órgãos genitais da exposição pública.

As imagens também mostram Zac falando ao telefone. Pelado sim, mas incomunicável nunca, né, gente?

No filme, Zac será neto de Robert DeNiro. Seu personagem está prestes a casar mas, antes disso ele vai acabar levando o avô, um ex-militar taradão, ao tradicional Springbreak na Flórida.

Dirty Grandpa” só vai chegar aos cinemas em 2016.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Praça do Gringos terá show de jazz gratuito nesta semana

Pouca gente sabe, mas nesta quinta-feira comemora-se o International Jazz Day no mundo inteiro e Natal entrou no circuito de comemorações com show da Taryn Szpilman.

Ela ficou conhecida recentemente por dublar a rainha Elsa da animação musical Frozen. A cantora faz uma versão em português da música “Let it Go”, vencedora do Oscar de melhor canção em 2014, chamada “Livre Estou”.

O rolé vai acontecer na Praça Ecológica de Ponta Negra, mais conhecida como Praça do Gringos, nesta quinta-feira (30). No local vai ser montado o palco e toda a estrutura para a apresentação, que começa às 20h. A entrada é gratuita.

Para acompanhar a cantora, vai rolar a apresentação da Big Band do Sesi, que apresentará com as cordas da Orquestra Sinfônica da UFRN.

O evento é realizado em parceria pelo Sesi RN e pelo Fest Bossa Jazz.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Ouça “Infinity”, a nova e ótima música da Mariah Carey

Mariah Carey lançou no início dessa segunda-feira sua nova música “Infinity” e, assim como todo mundo esperava, é mais uma daquelas baladas ótimas que trazem a marca registrada da cantora.

A música marca uma nova fase da carreira da cantora, que está de volta a gravadora Epic Records, do L.A. Reid, após algum tempo que todos preferem esquecer na Def Jam.

E o material já veio acompanhado de um lyric video!

O que é esse agudo nos segundos finais da música, hein?

Infinity” é o carro-chefe do álbum “#1 to Infinity”, uma espécie de reedição do épico “#1’s”, lançado em 1998, que vai servir de base para a temporada de shows que a cantora irá realizar em Las Vegas a partir do mês que vem.

A faixa já pode ser baixada no iTunes e em outras plataformas digitais.

'Vingadores: A Era de Ultron' e 'Velozes & Furiosos 7' dominam bilheteria internacional

"Vingadores: Era de Ultron" ainda não estreou nos Estados Unidos, mas já arrecadou pelo menos US$ 201 milhões nos países em que já entrou em cartaz (o Brasil é um deles). O longa ficou em primeiro lugar nas bilheterias em todas as regiões em que já é exibido, representando 55% de todo o mercado internacional.

Enquanto isso, o fenômeno "Velozes & Furiosos 7" segue quebrando recordes. O filme de James Wan já arrecadou US$ 1 bilhão fora dos EUA. Trata-se da terceira produção da história a atingir essa marca (os outros dois são "Avatar" e "Titanic"). Além disso, lidera as bilheterias norte-americanas pela quarta semana consecutiva. " Velozes & Furiosos 7" já é a quinta maior bilheteria de todos os tempos.

Mas uma produção mais modesta também se destacou no fim de semana. "A Incrível História de Adaline", romance protagonizado por Blake Lively e rodado a um custo estimado de "apenas" US$ 30 milhões, arrecadou respeitáveis US$ 13,4 milhões, superando as expectativas dos estúdios da Lionsgate e da Lakeshore. O filme, que estreia em 28 de maio no Brasil, está em exibição em menos de três mil cinemas.

As críticas sobre " A Incrível História de Adaline ", que fala sobre uma mulher que se torna imortal após um acidente na virada do século XX, foram, em geral, mistas. Mas o filme teve um forte apelo entre o público feminino, que representou 75% dos espectadores que assistiram ao longa nos últimos dias.

Madonna figura no topo dos artistas de maior sucesso de todos os tempos, de acordo com o MediaTraffic

O site MediaTraffic atualizou seus números com os dados mais recentes. Madonna segue como a artista de maior sucesso nas paradas mundiais de todo os tempos!

1. Madonna
2. Elvis Presley
3. The Beatles
4. Michael Jackson
5. Rolling Stones
6. Elton John
7. Bee Gees
8. Mariah Carey
9. Rihanna
10. Stevie Wonder

sexta-feira, 24 de abril de 2015

quinta-feira, 23 de abril de 2015

O novo ‘Vingadores’ acerta ao explorar as próprias falhas

Os planos da Marvel eram claros para o encerramento da segunda fase do próprio universo cinematográfico. Desmontar o que havia sido apresentado na primeira leva de filmes. E Vingadores: Era de Ultron, que chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, uma semana antes dos Estados Unidos, é cirúrgico nisso.

Na primeira fase do pomposo plano, heróis como Homem de Ferro, Hulk, Capitão América e Thor eram apresentados no auge de suas “divindades” (o único realmente deus é Thor, mas dá para entender, certo?). Nesta segunda, tudo começa a desandar. O grupo com os maiores heróis da Terra também apresenta falhas. E tudo isso culmina em Era de Ultron – assim como desandará de vez em Capitão América: Guerra Civil, quando Tony Stark/Homem de Ferro e Steve Rogers/Capitão América partem para lados distintos da briga.

O ano de 2012, quando o primeiro Vingadores arrecadou US$ 1 bilhão em bilheteria, parece distante hoje. O superlativo perdeu espaço para os detalhes. Não é por acaso que o Gavião Arqueiro e Viúva Negra, os menos superlativos dentre os heróis, interpretados por Jeremy Renner e Scarlett Johansson, tenham recebido tanta atenção de Joss Whedon nesta sequência. Não se trata mais do super-humano, mas, sim, do humano dentro de cada super.

A Batalha de Nova York, como ficou conhecida o confronto final do primeiro filme, deixou marcas muito mais profundas do que se poderia imaginar. Além de ajudar a gerar as tramas das séries de TV Agents of SHIELD e Demolidor, criou fantasmas de medo dentro de cada um dos Vingadores.

Ultron, o escancaradamente vilão do novo longa, não é tão vilanesco assim. Ele só é uma criação do próprio medo dos heróis. Não fosse o ocorrido em NY, o personagem sequer existiria. Pior que ele é a novata Feiticeira Escarlate, vivida por Elizabeth Olsen, capaz de acessar os maiores medos de cada um dos heróis e destruí-los por dentro.

São três novos heróis. Além da Feiticeira, somos apresentamos ao irmão dela, o Mercúrio (Aaron Taylor-Johnson). Ele, por sua vez, funciona apenas para acrescentar número à quantidade de heróis do grupo e como um serviço aos fãs, apenas. Por fim – e bem no fim, mesmo – Visão entra em cena. Sim, já sabíamos disso através do mar de trailers, clipes e vídeos lançados até a estreia, mas o visual do herói, interpretado por Paul Bettany ainda é de tirar o fôlego. Embora a profundidade do personagem tenha sido esvaziada por falta de tempo em tela, ele promete ser uma adição inteligente ao grupo.

Sabendo-se o que nos espera nos anos a seguir, como novos filmes de Capitão América, Thor, Homem Formiga, Doutor Estranho, Guardiões da Galáxia, assim como um duplo longa dos Vingadores, A Era de Ultron soa como um filler (nome dado a episódios criados apenas para “encher linguiça”), mas a sacada de Whedon foi fugir disso partindo para aspectos inesperados das personalidades de cada um dos heróis que ele tinha ali à disposição. Não fugiu das grandes batalhas, ameaças planetárias, etc, afinal, estamos tratando de Vingadores e é para isso que eles existem como grupo, mas ele esmiúça o improvável, a fraqueza, enquanto um vilão faz piadinhas e finge ser um problema maior do que é. A força deste novo Vingadores está nas falhas deles.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

DOBRADINHA: Noel Gallagher’s Chasing Yesterday – um pratão pros fãs do Oasis / Madonna’s Rebel Heart: PUMP UP THE GYM!! - Por: Louisy Rodrigues

Bem, amigs do PZ!

[Galvão mode OFF!]

Depois de um looooooongo inverno, eu e minha pena (juro que tá vivendo em Hogwarts ou, mais atual, Kings Landing, né?) voltamos à ativa. Sooooo...a vida vai boa, mas muito atribulada, tanto que mal tive tempo de acompanhar as ~tendêmsias~ da música e escrever algo que preste. Mas o novo CD do Noel tá tão bom que tive que sair das cavernas pra deixar como sugestão esse presente que o Gallagher mais inteligente deu, principalmente pros fãs do Oasis.

VALE A PENA.

(De verdade.)

Chasing Yesterday é o novo CD dele, lançado em março desse ano (confesso que não dei muita bola no começo, apesar de ter adorado o primeiro álbum, o Noel Gallagher’s Flying Free Birds). Então...Com esse CD, fica muito claro quem era o irmão mais esperto, o ser pensante e a alma do Oasis, pois Noel, ao contrário de Liam (que fundou o já extinto Beady Eye), mostra que seguiu muito bem sem sua antiga banda. E mais: enquanto o Beady Eye teve uma pegada mais Oasis findicarreira, cujas músicas eram bem mais ou menos, Chasing Yesterday pode se passar por qualquer CD do Oasis do começo, todos fantásticos (me refiro a uma das tríades mais abençoadas da história da música: Definitely Maybe – What’s the story morning glory? – Be here now).

Escutando o Chasing Yesterday, percebi elementos do old Oasis (guitarras mais simples e diretas) em várias músicas. Riverman, a primeira, dizem que é a nova Wonderwall (mas eu não acho). In the heat of the moment e You know we can’t go back têm uma pegada bem Be Here Now (inclusive essa última me lembra muito I hope, I think, I know). O começo de The girl with the X-Ray eyes é IGUAL ao de The Masterplan e o de Lock all the doors, até o refrão, me traz à memória Morning glory.

Só isso seria suficiente pra garantir sucesso e felicidade eternas.

Mas não. Ele é o Noel Gallagher, jemt, God saves him!!!

As demais músicas do CD são muuuuuuuuuito boas. O único revés (que nem é tanto assim), é a música que fecha o álbum, Ballad of the mighty I: ela é legal e tem um clima de encerramento, mas ele poderia ter feito algo mais elaborado para selar esse álbum tão tão tão fantástico. Aliás, baixei a versão deluxe para escutar as músicas extras e Revolution song, além de também ser old Oasis, é muito legalzinha.

Enfim. É um CD maravilhoso, super recomendo.

E vou tentar escrever, futuramente (espero que breve, pra não ser aquela tia velha da música que chega falando de ~novidades~ do ano passado) sobre o novo álbum de Madonna, que, já antecipo: É A MÚSICA QUE VAI TURBINAR SEUS TREINOS DE ACADEMIA.

Tá, não me aguento (se meu editor quiser dividir o texto em dois, faça, porque vai ficar gigante!!!), larguei a me escrever sobre Madonna. Ela é incrível por n motivos, mas hoje eu destaco a capacidade dela se reinventar, se atualizar e SE MANTER NO TOPO (there’s only one queen and it’s Madonna). Além de, a meu ver, ela ser um ícone feminista (quantas vezes vc já ouviu a mídia dizer que um homem – Jesus Luz – está se aproveitando de uma mulher?).

Rebel Heart é o novo trabs da dxiva, que vem depois do também fantástico MDNA. O CD pode ser muito bem aquela trilha da sua aula de body pump ou da musculação mesmo. Não existe jeito melhor pra defini-lo. É só escutar que vc já se imagina de calça legging rosa choque fazendo agachamento smith. Pernas definidas com selo Madonna de garantia. E, ÓBVIO, que tem música alfinetando a Igreja Católica nesse álbum (se não tivesse, não estaríamos falando de Madonna). Acho que Devil Pray ilustra bem isso.

Destaque pra Living for love (mais academia impossível), Ghosttown e Joan of Arc. Unapologetic Bitch é um reaggezinho bem dançante. Bitch, I’m Madonna vem pra consolidar a parceria (que eu amo) com Nick Minaj e é uma música superbe. Também aaaaaaaaamo Iconic...

CHEEEEEEEEEEEEEEEEEEGA!!! (Chega, se não vou ficar falando aqui por horas!!! Help!!!)

Ficam então as dicas: Madonna + Noel Gallagher (super iguais, né?) pra comemorar esse começo de 2015!! Escutem e sidxivirtam!!


Bisous! 

Por: Louisy Rodrigues

Sandra Bullock é eleita a mulher mais bonita do mundo pela revista People

A revista "People" elegeu a atriz Sandra Bullock, de 50 anos, a mulher mais bonita do mundo para a edição especial deste ano. A capa foi divulgada nesta quarta-feira (22).

Segundo o site da revista, Bullock diz não se levar muito a sério quando se trata de sua aparência. A atriz conta que apenas riu quando soube que havia sido escolhida. "Não, realmente. Eu apenas disse: 'Isso é ridículo", ela disse à "People". "Eu não contei a ninguém."

Vencedora do Oscar por "Um Sonho Possível", a atriz disse que "o que é bonito é a honra de ser a mãe do Louis". “A beleza verdadeira é discreta. Especialmente nesta cidade, é muito difícil não dizer ‘eu preciso ter tal aparência’”, afirmou ela sobre Los Angeles. “As pessoas que acho mais bonitas são as que não estão atrás disso”.

Sandra também credita sua dieta saudável, que inclui suco verde, e malhar até cinco vezes por semana por mantê-la realista e equilibrada.

Mas é seu filho quem lhe dá mais alegria. Quando Louis lhe perguntou por que ela tem rugas, Sandra respondeu que algumas delas são resultado de rir tanto. “Você não é velha, é só feliz”, ele disse, segundo ela.

A lista deste ano ainda tem as cantoras Vanessa Hudgens e Ariana Grande, a atriz Laverne Cox, de "Orange Is The New Black", e outras celebridades.

No ano passado, a atriz Lupita Nyong'o, de "12 Anos de Escravidão", ganhou o título da "People", ao lado de Julia Roberts, Jennifer Lawrence e Julianna Margulies.

Foto de família reúne Luke, Leia e Darth Vader

Parece que Luke Skywalker e a sua irmã, a princesa Leia Organa, deram uma segunda chance para o pai. Em foto para promover a série “Star Wars”, os atores Mark Hamill e Carrie Fisher — Luke e Leia respectivamente — posaram em família com Anakin Skywalker, mais conhecido como Darth Vader.

A imagem foi publicada no perfil de Hamill no Facebook no último domingo. Os dois estão no elenco de “Star Wars VII: O Despertar da Força”, que estreia no Brasil em dezembro deste ano.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Um museu em Barcelona para Woody Allen

O cineasta nova-iorquino Woody Allen deverá ter um museu, o primeiro no mundo dedicado a ele, em Barcelona. Seria em pleno bairro Gótico, em um edifício da segunda metade do século XIX, abandonado há seis anos por sua decadência, o que fez a antiga inquilina, a Escola de Artes e Ofícios, mudar de instalações.

Embora seja uma iniciativa privada, do catalão Jaume Roures, produtor executivo de “Vicky Cristina Barcelona” (um dos últimos dez filmes dirigidos por Woody Allen), o imóvel, de 2 mil metros quadrados distribuídos em três andares, é do Governo regional, e, portanto, depende de uma licitação.

Woody Allen não aceitou de primeira. Reagiu com estranheza ao fato de que um museu sobre ele pudesse interessar a alguém, segundo contou Jaume Rours à imprensa local. Foi somente recentemente, com um planejamento mais elaborado em mãos, que o cineasta se abriu para a ideia, embora não vá, em princípio, participar dela ativamente. Somente deverá ajudar, cedendo material. Os dois deverão encontrar-se, em maio, no Festival de Cannes.

A intenção de Rours é proporcionar, através do “Woody Allen Center”, uma visita ao universo do cineasta, sem restringir-se unicamente a seus filmes. A psicanálise, o amor, o sexo, o humor, a morte e a religião serão alguns dos temas tratados, vinculados, logicamente, a Woody Allen. A expectativa de Rours é inaugurar o museu dentro de dois anos.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Leona Lewis divulga capa de seu próximo disco de inéditas

Parece que finalmente as coisas estão se encaminhando para a realização do novo álbum de Leona Lewis. A cantora que assinou um novo contato com a Def Jam, postou nesta última quinta-feira, 16/04, uma foto em sua conta do Instagram com um colete da gravadora simbolizando essa nova união.

Além disso, a artista revelou a capa de seu quinto disco de estúdio, I Am, que até então não há uma previsão de seu lançamento.

Single 'Ilusão à Toa' frustra e contradiz a fase de plenitude artística de Gal Costa

Lançado no último dia 14 de abril de 2015, nas plataformas digitais, o single “Ilusão à Toa” é frustrante para quem vem acompanhando o atual (grande) momento artístico de Gal Costa.
Desde o revigorante álbum Recanto (Universal Music, 2011), produzido por Caetano Veloso com Moreno Veloso, a cantora recuperou a melhor forma, a gana e o status.

Os shows Recanto (2012/2014), Espelho D'água (2014) e Ela Disse-me Assim - Canções de Lupicínio Rodrigues (2015) confirmaram, em cena, o renascimento artístico de uma intérprete que atravessara os anos 2000 no piloto automático (embora nunca tenha deixado de ser a grande cantora que sempre foi).

O single “Ilusão à Toa” estanca esse movimento de ruptura com a estagnação. Embora produzido por Kassin e Moreno Veloso, pilotos do vindouro álbum Estratosférica, previsto para ser editado em maio via Sony Music, o single contradiz o momento de plenitude vivido por Gal Costa desde Recanto.

É uma gravação que poderia até figurar no comportado álbum Todas as Coisas e Eu (Indie Records, 2003), disco pautado por regravações reverentes de standards da MPB. Um dos mais belos títulos do cancioneiro do compositor carioca Johnny Alf (1929 - 2010), “Ilusão à Toa” - música lançada em 1961 com versos que aludem discreta e poeticamente a um amor gay trancado dentro do armário - decepciona porque vem numa linha contrária à adotada por Gal em seus recentes projetos.

Feita sem a banda arregimentada por Kassin e Moreno Veloso para o disco, a canção está sendo lançada como single porque a gravação foi feita sob encomenda para a trilha sonora da atual novela exibida pela TV Globo às 21h, Babilônia.

Submissa às escolhas da emissora, a gravadora decide promover uma música cuja gravação destoa da atmosfera rocker do álbum Estratosférica. Tudo porque “Ilusão à Toa” é a faixa da novela.

Com as rádios cada vez mais segmentadas e/ou fechadas para qualquer música produzida fora do estrato populista, ter uma música numa novela é a única garantia - em tese - de um possível sucesso nacional. Em nome de um sucesso que sempre vai depender da execução (ou não...) da música na trama, conceitos artísticos são postos em segundo plano em favor das leis do mercado.

É fato que os admiradores de Gal saberão separar o joio do trigo. Mas é lamentável que a primeira música do álbum Estratosférica a que o chamado grande público vai ter acesso é uma canção gravada fora do tom supostamente arrojado do disco. Com tal escolha, perde Gal, perde o disco, perde a Arte e perde, por fim, o próprio público.

Embora tenha optado por divulgar primeiramente a faixa-bônus “Ilusão à Toa”, por conta de sua inclusão na trilha sonora da novela Babilônia, a gravadora Sony Music pretende lançar em maio um single oficial do álbum Estratosférica, com direito a um clipe dessa música ainda não revelada.

Maria Bethânia vai lançar 'single' duplo com tema de novela e inédita de Flavia Wenceslau

Maria Bethânia vai lançar single duplo no formato de CD. Uma música é “Eu te Desejo Amor”, a versão em português de Nelson Motta de “Que Reste-t-il de nos Amours?” (Charles Trenet e Léo Chauliac, 1942) que a cantora gravou para a trilha sonora da novela Babilônia (TV Globo, 2015).

A outra faixa do single é uma música inédita de Flavia Wenceslau, compositora paraibana (radicada em Salvador - BA) de quem Bethânia está cantando “Silêncio no Encerramento” do (ótimo) show comemorativo de seus 50 anos de carreira, Abraçar e Agradecer.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Hoje… Algum Tempo Atrás: Os 15 anos do Return of Saturn, do No Doubt

O primeiro disco da banda como quarteto, após a saída do Eric Stefani.

Mas, mais que isso: o disco que viria como sucessor do perfeito Tragic Kingdom, aquele que deu sucesso mundial à banda.

Demorou mais de dois anos para ficar pronto, graças a brigas entre os membros da banda e da banda com a gravadora.

Gostei do que o Tom Dumont escreveu a respeito, na sua página no Facebook.

Eu me lembro que, na época que ele saiu, achei mais lento que o TK. Não me animei, inicialmente, e demorou um tempo para que eu o escutasse direito.

Que tempo perdido….

Hoje, amo.

Adoro a introspecção que a Gwen Stefani trouxe, debatendo seu desejo de uma vida em casa, que contrastava com a vida de turnê e shows.

Algumas das belezuras do álbum são Magic’s in the Makeup, Simple Kind of Life, Bathwater, Six Feet Under, Marry Me, New.

Não é pouca coisa não.

Abaixo, uma das melhores deles, na minha opinião. Bathwater.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Wiz Khalifa tira “Uptown Funk!” do topo da parada de singles dos EUA com “See You Again”

Eram muitos os candidatos a frear a liderança isolada de “Uptown Funk!”, de Mark Ronson e Bruno Mars, na Billboard Hot 100. Mas coube a um single improvável a função: “See You Again”, do Wiz Khalifa. A música, gravada para o filme “Velozes & Furiosos 7”, havia entrado no Top 10 na semana passada e saltou do 10º para o 1º lugar na nova atualização. Bye, bye, “Uptown Funk”, depois de 14 semanas em nº1.

Como “See You Again” conseguiu saltar tantos degraus de uma vez? Com o lançamento do clipe. Postado no Youtube na segunda (6/4), o vídeo levou o single ao topo da parada de streamings dos EUA. A divulgação também aumentou o número de downloads, e ele foi o mais baixado da semana.

Para “Uptown Funk!”, que visava quebrar o recorde de duração na liderança, foi um balde de água fria. Com 14 semanas, a música segue empatada com tantas outras. O título ainda é de “One Sweet Day” (1995), de Mariah Carey e Boyz II Men.

Veja o Top 10 da semana:

01)     “See You Again” – Wiz Khalifa feat. Charlie Puth (10-1)
02)     “Uptown Funk!” – Mark Ronson feat. Bruno Mars (1-2)
03)     “Sugar” – Maroon 5 (2-3)
04)     “Trap Queen” – Fetty Wap (6-4)
05)     “Thinking Out Loud” – Ed Sheeran (-)
06)     “Earned It” – The Weeknd (4-6)
07)     “Love Me Like You Do– Ellie Goulding (3-7)
08)     “G.D.F.R.” – Flo Rida feat. Sage the Gemini & Lookas (-)
09)     “Shut Up And Dance” – Walk the Moon (12-9)
10)     “Style” – Taylor Swift (7-10)

Blond Ambition World Tour: 25 Anos

Conceito teatral inspirou o universo pop da atualidade

Na noite de 13 de abril de 1990, Madonna subia ao palco para sua terceira turnê, sendo o Japão escolhido para première dessa atração teatral proposto pela Rainha do Pop.

Com direção artística de seu irmão, Christopher Ciccone, a apresentação contém um misto de ideologia Broadway, moda, polêmica, coreografia, sexualidade e religião. Foram 57 apresentações entre Japão, Canadá, EUA e Europa.

A crítica definiu como ‘o espetáculo que transformou e revolucionou a maneira de o mundo visualizar as turnês mundiais’. A revista americana Rolling Stone descreveu a tour como "elaboradamente coreografada, extravagantemente sexual e provocativo", e a proclamou a "melhor turnê do ano".

A imagem ícone e emblemática desse faraônico espetáculo foi à cantora entoar os versos da (já) clássica “Like A Virgin” com lendário espartilho dourado com sutiã em formato de cone (teremos um post especial sobre a importância desse acessório no universo feminino), além do belo aplique ‘rabo de cavalo’ (durante os concertos pela Europa, ‘M’ preferiu usar abdicar do aplicar, pois seu cabelo estava ficando bem danificado), surgindo no meio do palco uma cama no qual Madge canta sensualmente seu hit numa releitura oriental que leva a simulação de uma masturbação, chegando ao êxtase de seu orgasmo. Tal cena repercutiu demasiadamente pelo mundo, chocando a Igreja, tendo voz de prisão em Toronto. Enquanto na Itália, o saudoso Papa João Paulo II liderou um boicote para não assistirem o show e um deles na cidade acabou cancelado.

Antes mesmo da overdose dos realities shows no mundo de entretenimento, quase de forma secreta, Madonna filmou todo o processo de excursão de sua tour pelo mundo, criando o lendário documentário “Truth or Dare: Na Cama com Madonna”, dirigido pelo Alek Keshishian. O material tem como missão revelar os bastidores desse megaespectáculo e expor a forte personalidade de sua estrela.

A rotina árdua do processo de ensaios, entrevistas nos locais dos shows, pequenas festas com artistas convidados e seu elenco colaborador; tudo isso sendo apresentado em preto e branco, além de ter performances do show filmado em película. Em 2012, o documentário chegou a ser relançado em Bluray.

A partir dessa turnê, o conceito de dividir os shows em blocos, começa ser impregnado em todos os espetáculos desenvolvidos pela Madge, e, posteriormente, o universo pop utiliza desse ponto de vista para elaborar e segmentar as apresentações de vários artistas.

EstilistaBloco I: Metropoles / Futurístico
"Express Yourself" (trechos de "Everybody")
"Open Your Heart"
"Causing a Commotion"
"Where's the Party"

Bloco II: Egito / Egípcio
"Like a Virgin"

Bloco III: Religioso / Igreja
"Like a Prayer" (trechos de "Act of Contrition")
"Live to Tell"/"Oh Father"
"Papa Don't Preach"

Bloco IV: Cabaré
"Sooner or Later"
"Hanky Panky"
"Now I'm Following You"

Bloco V: 1940/50
"Material Girl"
"Cherish"
"Into the Groove" (contém elementos de "Ain't Nobody Better")
"Vogue”

Encore
"Holiday" (contém elementos de "Do the Bus Stop")
"Keep It Together" (contém excertos de "Family Affair")

Conceito teatral

Para apresentar a didática Broadway, Madonna utilizou de dividir a apresentação em cinco blocos distintos, possuindo o sexto bloco no (algo raro) melhor estilo ‘bis’. O primeiro ato (Metropoles/Futurístico), expõe os bailarinos em uma performance de ‘Express Yorself’ bem semelhante ao revolucionário clipe.

Na sequência do segundo ato, temos o estilo Egípcio para cantar a única musica presente nesse ato (“Like A Virgin”), num misto oriental sensual árabe, dando uma dramaticidade maior à música, além de trazer a figura pertinente do sutiã-cone criado pela Jean Paul Gaultier.

Já no terceiro ato Religioso temos uma Madonna quase freira segurando firme um lindo terço de prata dançar e cantar “Like A Prayer”. O quarto e o quinto blocos Cabaré+Anos 40/50 retrata toda a leitura de seu novo filme a época (Dick Tracy). Aqui podemos notar uma excelente performance vocal de Madge. E para finalizar, o bloco Festa com a faixa excêntrica “Keep It Together”, deixa evidente o simbolismo do trabalho em família.


Curiosidades

- Durante apresentações em Toronto, Madge cantou ‘Dear Jessie’ em estilo acústico seguido de ‘Cherish’. Enquanto na Suécia, entoou versos de ‘Spanish Eyes’ seguido de ‘Cherish’ em versão acústica;

- Faturamento de US$65,7 milhões, sendo a turnê mais bem sucedida de 1990;

- The Blond Ambition Tour excursou por 27 cidades em seus 4 meses de apresentações;

- Os equipamentos utilizados na montagem de palco (luzes, cenários e etc.) foram transportados por 18 caminhões;

- Madonna teve que cancelar 4 shows nos EUA ( Chicago, Wochester, Philadelphia e Nova York) por conta de problemas em suas cordas vocais;

- Os US$ 300.000,00 arrecadados da apresentação de Nova York foi doada para amfAR (Fundação de Combate e Pesquisa a AIDS);

- O último show da tour, ocorrido na cidade de Nice (França), teve a transmissão ao vivo mundial pela HBO, sendo o espetáculo mais visto no mundo;

- Para a promoção do show, foram lançados 3 clipes: “Like A Virgin”, “Holiday” e “Hanky Panky”.